terça-feira, 20 de outubro de 2009

MIDIAS NA ESCOLA

           Na era da tecnologia, uma infinidade de mídias, especialmente as que visam a comunicação em massa, fazem parte da vida das pessoas como se fosse algo indissolúvel delas próprias. Essas mídias: TV; Internet; rádio; revista; jornal; Cd; DVD; cinema, visam o controle comportamental das pessoas e estão carregadas de ideologias que acabam por citar padrões de comportamento, definindo o que é belo, o que oferece status, poder, controle. As mídias são usadas para manipular, ao mesmo tempo em que são manipuladas.
            A escola, em épocas passadas, era tida como “detentora” dos saberes, mas hoje, encontra-se em partes, desorientada, assim como muitos pais, por não conseguirem dar conta de acompanhar a evolução tecnológica. Os professores deveriam ser o elo de ligação entre os conhecimentos e os alunos, agora ocupam um papel coadjuvante no processo, ou por falta de conhecimento, insegurança ou mesmo criticidade.
            O nosso sistema educacional é fragmentado e vem “de cima para baixo”, muitas vezes assim, não indo de encontro a realidade do aluno e o seu objetivo de aprender na escola.
            A aprendizagem se faz em qualquer lugar, com os vários tipos de mídias que dispomos. Então: Porque aprender na escola? O que aprender na escola? Para que aprender na escola?
            A educação escolar supõe uma seleção no interior da cultura e um reelaborar dos conteúdos da cultura a serem transmitidos, ou seja, os conteúdos a serem recortados entre todos os conhecimentos sistematizados e acumulados historicamente pela sociedade, que deverão fazer parte do currículo.
            O currículo escolar, não é apenas algo a ser reproduzido, mas a ser modificado e reconstruído, promovendo a interação entre teoria e prática.
            A discussão sobre novos currículos e práticas educacionais torna-se fundamental neste cenário, pois de nada adianta trocar a roupagem de velhas práticas. Portanto, a inserção de tecnologias da informação e comunicação é entendida em conjunto com novas oportunidades para se repensar e redesenhar os currículos e traduzir novas práticas à luz da discussão de novas aprendizagens.
            São muitos os recursos a nossa disposição para aprender e para ensinar. O novo currículo, para ter significado para o aluno, tem de estar articulado ao aprender fazendo e transformando. A escola ainda é a organizadora e certificadora principal do processo de ensino-aprendizagem.
            O professor é a chave desse processo, é o elo de interação entre os conhecimentos universais, proporcionados pelas mídias e a articulação de um conteúdo escolar, onde se organiza e certifica-se no processo dessa aprendizagem.
            Criar ambientes de aprendizagem com a presença das TIC’s significa utilizar a TIC para a representação, a articulação entre pensamentos, a realização de ações, o desenvolvimento de reflexões que questionam constantemente as ações e as submetem a uma avaliação contínua.
            As TIC’s na escola é vencer desafios, ousar, articular saberes, tecer redes de conhecimento, tornando possível ao propiciar ao educador o domínio da TIC e o uso desta para inserir-se no contexto e no mundo.